Para onde vai o lixo do Bananalama?

Evento fará gestão inteligente de resíduos e reflorestamento de área degradada.

Todo mundo sabe que o Super Bananalama é o “Maior encontro de trilheiros do mundo”, já homologado pelo livro dos recordes. Após a edição de 2019, que acontece de 4 a 7 de julho, em Corupá (SC), o evento também será referência em sustentabilidade ambiental. Com patrocínio da Bompack, fornecedora dos materiais descartáveis, e em parceira com a Eco Local e a Carbo Brasil, especialistas nesse segmento, as empresas realizarão a gestão inteligente de resíduos, além do reflorestamento de uma área degradada.

A expectativa do Super Bananalama 2019 é reunir cerca de 4.000 trilheiros e um público de mais de 50 mil pessoas em uma área de 140 mil metros quadrados, no Seminários Sagrado Coração, durante quatro dias.

“A missão do Bananalama é promover um grande encontro, repleto de atividades. Porém, temos que despertar essa consciência nas pessoas que virão de todos os cantos do Brasil e de outros países para curtir essa festa em Corupá. Esse trabalho de sustentabilidade é umas grandes novidades para este ano, no qual queremos envolver os participantes, e tenho certeza que será um grande sucesso”, ressalta o organizador Eduardo Appel.

Para atender à demanda desse grande evento, com mais de 150 mil itens descartáveis, como copos, guardanapos, canudos de papel e pratos, a Bompack, fornecedora dos materiais, entrou junto com o Super Bananalama nessa missão.

“Todos os nossos produtos são recicláveis e nossa empresa se preocupa muito com a preservação do meio ambiente. É a primeira vez que participamos do evento e estamos felizes em fazer parte de uma gigante e responsável ação como esta”, destaca Tommy Volkmer, coordenador de marketing da Bompack.

Todo o material descartado durante o evento passará pela triagem da equipe da Eco Local. Nas áreas do parque serão colocadas lixeiras identificadas para descarte de produtos orgânicos e recicláveis. Assim, nenhum resíduo reciclável gerado pelo Super Bananalama irá parar nos aterros sanitários.

“Existem resíduos com valor comercial, como as garrafas PETs, e outros que não tem esse valor, mas que podem ser reciclados. Nosso objetivo é recolher tudo o que for descartado e encaminhar para a Carbo Brasil, que é uma usina responsável pela gestão inteligente de resíduos, que fará a transformação desse material em produtos sustentáveis”, explica Filipe Oliveira, coordenador da Eco Local 

“Assim que recebermos todos os rejeitos, faremos a separação e a trituração para deixar esse material homogêneo. Usaremos nossa máquina para fazer uma massa, que será prensada e transformada em vasos de plantas, símbolo dessa ação no evento. Vamos distribuir 500 unidades”, complementa Ricardo Lavina, sócio-proprietário da Carbo Brasil. Ele reforça também que por toda essa ação, o Super Bananalama já é um evento com o selo “Consciência Circular”.

Mais uma ação de grande impacto será o reflorestamento de uma área degradada, com o plantio de mais de mil mudas nativas, com apoio da Secretaria do Meio Ambiente de Corupá e projetos ambientais parceiros. A ideia é que os trilheiros também possam participar desse momento.
 
Com isso, será possível compensar a emissão de CO2 do evento, ou seja, um evento carbono zero. Outra forma efetiva e positiva de minimizar os efeitos do gás carbônico é o processo de transporte dos resíduos. Tudo acontecerá em uma única viagem até o destino final. Assim, também reduzirá o combustível e consequentemente os efeitos negativos à natureza.

As áreas do entorno do Seminário Sagrado Coração de Jesus também estão na lista da equipe da Eco Local.

“Vamos fazer blitz educativas, principalmente nos campings. Não são locais em que os resíduos estarão sob nossa gestão, mas queremos conscientizar os trilheiros e o maior número possível de pessoas sobre essa questão”, finaliza Oliveira.