Há 20 anos

Bandeirantes Off-Road 2001

Há 20 anos






Show! Foi esta a definição desta prova, até mesmo a interdição de uma das melhores trilhas na região do Hotel Serra Negra, devido a uma enorme árvore ter caído, interditando totalmente a trilha, teve uma solução rápida e eficiente, não prejudicando nenhum piloto. Estavam programados 50 PC’s para a prova, um recorde em termos de Brasil, igualando o “Vinhedos” que fez esta proeza em um dia de prova. Dá para tirar uma idéia do quanto os organizadores trabalharam para não terem problemas no desenrolar da prova.

A primeira etapa foi disputada por uma região denominada de “Dourados” e adjacências do Hotel Serra Negra, caracterizada pelas famosas terras de “cultura”, vermelhas, muito férteis, relevo bastante acidentado, por se tratar da borda de um vulcão extinto, com a presença de grandes pedras pretas em alguns lugares. A segunda etapa foi disputada por uma região denominada “Boqueirão”, onde a vegetação predominante é um cerrado fraco, com pedras soltas e cascalho e visuais maravilhosos. Destaque para o Chapadão da Serra O roteiro não foi deixado de lado, sempre guardando surpresas aos competidores, portanto atenção era imprescindível, e as médias foram mais justas nesta etapa, já que a chuva não seria um fator determinante os organizadores não tiveram medo de exigir mais velocidade dos pilotos.

 A hospitalidade do povo Patrocinence para com os pilotos e o enduro foi calorosa e agradável, o pessoal da rede Agal, postos Serra Negra e Jamaica, bem como todos do Restaurante Jamaica não mediram esforços para deixar os visitantes à vontade e bem atendidos, e os demais patrocinadores também merecem sua parcela destes agradecimentos, como corretamente diz o jargão “sem eles a realização deste evento seria impossível”, a 98,9 FM, a FG Corretagem, agente autorizado Tristão, a Bit Company, a Paralella Slik Screen, a editora Reggraf, a Photocolor, a Telemaxi, as Águas Minerais Serra Negra, a Moto Center Reis, ao Minas Palace Hotel e a Prefeitura Municipal de Patrocínio.

Como não poderíamos deixar de fazer, veja os “causos” que alguns pilotos que chegaram ao nosso conhecimento:

  • No inicio da segunda etapa ao chegar ao fim da “Trilha da Cruz Azul”, o Padre Célio, vejam matéria sobre ele no Jeca Jóia, número 5, perguntou ao PC sobre a razão da cruz, foi respondido que ela era para lembrar a morte de dois padres naquele local, mais que depressa ele funcionou sua CR 250 e saiu rapidinho dali, falando que ele não queria ser o terceiro padre para ser lembrado por aquela cruz;
  • O Dr Paulo Bernardes, aqui de Patrocínio deixou todos preocupados ao demorar demais a chegar na cidade na primeira parte. Ao chegar ele explicou que em algum momento errou, ele não sabe quando, e pegou um estradão e “encheu o cano”, para chegar rápido a cidade, de repente quando se aproximou de uma curutela, se informou com um transeunte e foi informado que estava em Cruzeiro da Fortaleza, distante uns 70 KM’s de Patrocínio, teve que abastecer sua KDX e voltar todo o estradão de novo, imagine se ele não fosse da cidade, tinha ido parar na lua;
  • O piloto vice-campeão da Novatos em 2000, Juliano “Tomatão”, de Belo Horizonte, ainda não se livrou da “rolhisse” e literalmente entalou em um mata burro, coitado se ele ficar agora com complexo de “burro”, vamos ajuda-lo gente, tiveram de tirar a moto de lá com um guindaste, ele agora anda com um sacarolhas na pochete, podem conferir;
  • O Luiz Sérgio, “Katytu”, de Anápolis, GO, estava radiante, pela primeira vez conseguiu terminar um enduro, ele não acreditava quando foi entrevistado pelo reporte da 98,9 FM, ao vivo, quando disse: “tatatatava mumumumumuito boboboboaaaa a proprova”, para logo em seguida cair no choro, sendo prontamente consolado pelos amigos Ari Badona, Erimar (Elismar) e Geraldinho (Caçulinha);
  • Outro piloto que chorou piedosamente foi o Eduardo, de Araguari, ao conseguir o quinto lugar, de Agrale, no meio da Novatos (Importada). Jurou amor eterno a sai companheira e dedicou seu troféu ao seu amigo Topogigio, que por motivo de força maior (esposa e afinamento) não pode participar da prova;
  • O Edgar do Valle, de Patos de Minas terminou uma prova, e o impressionante, chegou a elogiar os organizadores, vamos ver o que ele esta preparando para nós em Patos de Minas este ano, pelas “conversas de bastidores” ele está prometendo uma boa prova;
  • O Wendel Luiz, de Araguari gostou tanto das trilhas de Patrocínio que resolveu comprar umas terrinhas, vinha embalado com sua XR 200, assustou-se com uma ponte depois de uma curva e teve que escolher entre cair na água ou “na chom”, como não é muito chegado ao banho, optou pelo chão e foi visitar o Pronto Socorro, só que não deixou o enfermeiro limpar os machucados, e só cedeu depois que o mesmo enfermeiro pegou em sua mão para “acalmá-lo;
  • Já famoso em outros relatos, cada vez andando mais, o Paulo Henrique “Pé de Mulata”, de Uberlândia, cada vez andando mais redondo, esta se especializando em limpeza de pastos, detonou o pé em um cupim, tomara que no Sertões não tenham muitos, senão sra mais um problema para ele, que já fica bastante ocupado em conduzir sua RX 650;
  • O estreante, Matheus Veloso, também de Patrocínio, fez a maior “vantagem” ao subir pela “casinha azul”, onde só as categorias Máster e Sênior deveriam subir, atrás de algum piloto da Máster, que vinham de um grande “balaio” e já passavam pelo local pela segunda vez, inclusive gritando para ele sair da frente que ele estava atrapalhando;
  • O Régis, de Araguari, para variar, resolveu dar água a tropa de sua Husk, resultado, quase dormiu na serra, não fosse o limpa trilha noturno.. No melhor estilo caminhão vassoura do Paris–Dacar, o já entusiasmado Maurício Jr, na incansável tarefa de tentar agradar a todos, partiu para o resgate, a bordo da Toyota 4x4, aquática, em companhia do Rogerinho, de Araguari, seco para fazer uma trilhinha mesmo que seja de carro e entrar em mais uma “gelada”, que só foi informado que eles iriam pela trilha do enduro ao chegar lá, já estava à noite e depois de muito sobe e desce, quase tromba, ai meu Deus, chegamos ao local onde ele deveria estar e nada, na presunção que ele tinha se virado, retornaram, e o encontram na cidade querendo voltar para pegar a moto, que não podia dormir sozinha na trilha, não é que o Caroço animou a depois da premiação as 23:00, ir lá com ele buscar a moto;

Nos encontraremos em Delfinópolis dia 21/04, prova que promete muito devido às trilhas da maravilhosa Serra da canastra, vale a pena conferir.

Mauricio Jr / Rogério Leite (Matéria publicada no Jornal Jeca Jóia em março de 2001)