As vendas de motos caíram 80% em Maio

O mercado brasileiro de motocicletas registrou uma enorme queda nas vendas de maio. Como resultado, o ano todo pode ser afetado com uma queda em torno de 35% do ano passado, significando um total de 700 mil unidades.

As vendas de motos caíram 80% em Maio
Crescimento de outros modelos no mercado

Após o aumento de dois dígitos registrado no ano anterior, a indústria brasileira de motocicletas iniciou o 2020 com uma velocidade reduzida, perdendo em fevereiro (-1,2%) e março (-0,3%) a boa vantagem tirada em janeiro (+ 12%) encerrando o primeiro trimestre com um volume de 276.759, um aumento de 3,1%.

O governo tentou repetidamente minimizar a pandemia, primeiro descartando-a como "fantasia" e depois apenas "um pouco de gripe". As mensagens do presidente em torno da pandemia deixam uma coisa clara: ele favorece uma abordagem de “economia em primeiro lugar” para enfrentar a crise; calculando que o número de mortes será menos oneroso do que a inevitável recessão causada pelo desligamento econômico.

No entanto, as autoridades regionais e distritais encontraram o enorme impacto da Covid19 na vida real e foram forçadas a aplicar a abordagem recomendada pelo O.M.S. e decidiram encerrar a maior parte da atividade. As pessoas, por si mesmas, ignoraram as mensagens do Presidente e decidiram ficar em casa.

Os resultados para nossa indústria ficaram acima das expectativas e as vendas em abril caíram na terceira queda mais profunda do mundo, depois da Índia (-100%) e da Itália (-97%), com -94,2%, com apenas 5,173.

Em maio, as vendas de motocicletas novas foram de 18.355 (-80,9%) e o pior está chegando, com a população em pânico, enquanto o governo ainda não tomou medidas. A queda da indústria automobilística foi semelhante, uma queda de 76%.

A diferença entre o Brasil e a Europa é que o Covid19 que continua crescendo rapidamente e as curvas de recuperação serão mais longas do que em quase todo o resto do mundo.

Analisando a potencial evolução do cenário de pandemia no Brasil, vemos vendas de motocicletas caindo 35,5% neste ano em torno de 700.000 unidades.

No entanto, diferentemente das curvas de evolução realmente previstas para a maioria dos principais países que imediatamente neutralizaram a covid19 evolução, o mercado brasileiro também permanecerá em território negativo em 2021.

Em 2019, as vendas aumentam 12% em 1,07 milhão de unidades, ocupando o 8º lugar no mundo

O mercado brasileiro de veículos de duas rodas é o maior da América Latina e um dos 10 melhores do mundo. Atingido pela crise econômica em 2014, o mercado caiu rapidamente de 1,59 milhão de unidades alcançadas em 2013 para 814.440 em 2017.

No entanto, a partir de 2018, o mercado adotou um caminho positivo, ainda em vigor, alimentado pela crescente demanda interna. Segundo dados divulgados pelo Ministro dos Transportes do Brasil, o total de vendas de motocicletas, scooters e ATV em 2019 foi de 1.072.391, um aumento robusto de 12,0%, o nível mais alto nos últimos quatro anos.

No final de 2019, o Brasil ocupa o 8º maior mercado de motocicletas do mundo, à frente do México e Taiwan, e um passo atrás para a Tailândia e o Paquistão.

Por 40 anos, este mercado foi literalmente dominado pela Honda japonesa, que encerrou o 2019 com mais de 80% de participação de mercado, com 775.617 vendas. Moto Honda da Amazônia Ltda. (HDA) começou a operar há 43 anos (novembro de 1976), abrindo uma planta local para produzir o modelo CG 125 com uma capacidade inicial de 2.200 unidades por ano. No entanto, a produção real foi próxima de 1 milhão de unidades, enquanto a produção total é responsável por 25 milhões de unidades.

Nas vendas da Honda em 2019, foram 870.023 (+ 11,3%), com impressionantes 82% de participação de mercado.

A segunda melhor marca foi a Yamaha vendendo “apenas” 147.302 unidades (+ 8,0%) à frente da Suzuki com 11.961 vendas (+ 28,5%) e seguida pela melhor marca premium, a BMW com 9.442 unidades (+ 24,3%).

A Triumph continuou crescendo (+ 11,1%), enquanto a Harley Davidson ganhou 2,7% e a Ducati acelera após um início lento, com vendas acima de 44%.