Jovem, aos 80 anos

Bengt Olov Wessman, ex-piloto e ainda apaixonado pela marca

Jovem, aos 80 anos
Fotos: Arquivo Pessoal






Estando em seus primeiros anos na década de 1950, Bengt Olov Wessman de Frövi, no interior da Suécia, participou de 27 corridas em três anos. Ele pilotava uma Silverpilen de 175cc modificada, que nunca o deixou na mão. Hoje, Bengt Olov Wessman é um jovem de 80 anos que ainda pilota uma Husqvarna 250WR

"Você deveria ter me convidado antes", disse me de seu apartamento em Täby, próximo à capital sueca. "A Silverpilen celebrou 50 anos em 2005 e completou 60 anos 10 anos depois. É quando você deveria ter escrito minha história", comentou Bengt Olov. Esta não é uma história sobre a famosa Husqvarna Silverpilen, mas sim um artigo pessoal de um jovem entusiasta.

Ele foi "pego" pela Silverpilen em meados da década de 1950, quando esta máquina chegou ao mercado. “Há alguns anos eu estava interessado em andar de motocicleta, foi quando descobri a Husqvarna, que logo se tornou minha obsessão”, lembra Wessman. "Vendi minha Monark Blue Fighter, com a qual corri algumas vezes em 1954 e 1955". Na época, Wessman ganhava a vida trabalhando como açougueiro.

Nascido em 1937, Bengt Olov Wessman cresceu em Frövi, no condado de Närke, onde sempre houve um grande interesse pelo automobilismo. Algumas das maiores estrelas do automobilismo despontaram nesta região. Ele decidiu investir em sua futura carreira de motocross e enduro em junho de 1955. Comprou sua nova máquina de 175cc. "Eu já tinha visto os relatórios e os testes da moto numa revista de automobilismo”. Durante o inverno de 1954, aquele extinto semanário apresentou com profundidade a história da motocicleta recém-lançada e que se tornaria um grande sucesso para a empresa. Mas isso aconteceu muito tempo depois.

Em abril de 1955, dois pilotos da Husqvarna participaram de uma corrida perto da cidade de Huskvarna, onde alcançaram o primeiro e segundo lugar com a nova Silverpilen. "Obviamente, fiquei impressionado e decidi comprar uma Husqvarna ainda na primavera de 1955, mas tive de aguardar cerca de um mês antes de pegá-la. Meu número de registro era T-1179, que posso ver nas fotos que guardei daquela época".

Na introdução do Silverpilen, não havia no mercado, máquinas de enduro preparadas para corrida disponíveis para compra. As opções disponibilizadas para as corridas eram insignificantes, já que o peso da máquina de 75 quilos tinha que ser respeitado. Pneus e guidões eram peças importantes para serem trocadas. No outono de 1955, não foi impressionante correr com uma Silverpilen de 175cc. A maioria dos bons pilotos montaram em máquinas de quatro tempos com 350cc ou 500 cc. "Acho que o pessoal da Husqvarna não sabia na época que bom piloto eles haviam produzido", disse Wessman de forma convincente. “Em agosto de 1955, me encontrei com o gerente de competição da fábrica - Bror Jaurén - que também havia corrido anteriormente. Ele participou de uma prova de enduro em Estocolmo e trouxe uma Silverpilen, que foi utilizada por um piloto desconhecido".

Contei a Jaurén sobre minha máquina e reclamei da borracha dos garfos dianteiros, que eram macios demais para dar uma boa suspensão nas trilhas mais duras. Ele me prometeu novas peças, e que iria melhorar a suspensão dianteira da minha moto. Algumas semanas depois, encontrei-me com o engenheiro da Husqvarna, Ruben Helmin, que me trouxe uma borracha nova. Mas ele disse: "Se você vai correr com esta máquina, você tem que se preparar, pois a Silverpilen não foi feita para corridas". Até certo ponto ele estava certo, mas o futuro provou que ele estava totalmente errado, pois esta motocicleta foi o início de uma nova era de ouro para a Husqvarna.

Mas esse fato não era conhecido na época. O piloto júnior Bengt Olov Wessman continuou sua carreira, correndo com sua Silverpilen durante os fins de semana no outono de 1955. Sua primeira vitória veio no "Bergslagsrundan" que foi disputado em Kristinehamn. "Eu cerrei meus dentes e fui até o fim", disse Bengt com um grande sorriso após sua primeira vitória. Um mês depois, Wessman se atreveu a entrar no famoso "Novemberkasan", este ano disputado na zona de Estocolmo com largada no estádio da capital. "Não tinha muita experiência e por isso pensei que iria descansar depois que o meu cartão de ponto estivesse cheio durante a etapa noturna de 300 km. Mas os organizadores simplesmente me deram um novo cartão e eu tive que continuar pilotando. Foi uma noite difícil". Mas o jovem fez uma corrida impressionante, terminando em 18º entre os juniores. Foi um começo notável para o novato promissor.

Durante 1956, Bengt Olov participou de 13 motocross e enduros, terminando todas as corridas, exceto duas, "Mas não foi porque minha Silverpilen me decepcionou, mas sim devido aos meus erros na prova", afirmou Wessman, que agora entraria como piloto sênior em 1957. Ele participou de três enduros e logo depois ganhou uma motocicleta de fábrica durante as corridas de outono daquela temporada. "Às vezes, eu competia nos mesmos eventos que Rolf Tibblin, mas ele ia muito duro com as máquinas. Foi só em 1958 que Rolf Tibblin começou a ter sucesso em sua Husqvarna. Tenho andado de motocicleta quase desde então", diz Wessman com orgulho. "Hoje eu faço alguns exercícios na minha 250WR Husqvarna de 1988, mas raramente acontece de andar em estradas. Ainda prefiro correr na floresta".

 

Crédito: Husqvarna Motorcycles GmbH