Enzo Lopes avalia sua temporada nos EUA

Gaúcho fez história ao concluir a temporada como melhor piloto das equipes independentes

Enzo Lopes avalia sua temporada nos EUA
Fonte: FGM







O jovem Enzo Lopes, de 20 anos, representou o Brasil em alto nível na última temporada do AMA Supercross, concluída recentemente. Ele encarou a acirradíssima competição dos Estados Unidos e finalizou o calendário com a quinta posição no ranking geral da categoria 250 SX Costa Oeste. Foi o melhor colocado entre os pilotos de equipes independentes.

Das 9 provas disputadas, o gaúcho terminou seis entre o top10 - sendo seu melhor resultado o sexto lugar, em Atlanta. Além disso, a segunda temporada do atleta no certame ainda teve tom de conquista, uma vez que envolveu a recuperação de uma lesão no ombro e uma primeira etapa adversa, encerrada na 19ª colocação.

Nesta semana, Enzo conversou com a Federação Gaúcha de Motociclismo - FGM, avaliando seu desempenho na temporada. Confira a entrevista com o atleta, natural de Lajeado, cidade a 110 quilômetros de Porto Alegre.


Bom, 2020 foi uma temporada e tanto para você. Qual foi a receita do sucesso?
Esse foi meu segundo ano no AMA SX, então já estava mais experiente, conhecia melhor toda a programação. Assim, focamos muito na pré-temporada, treinando bastante com a certeza de que isso teria reflexo na pista. Felizmente, me adaptei bem a moto e a equipe. Mais tarde, fomos nos fortalecendo a cada final de semana.

Qual foi o seu maior momento na temporada?
Ah, toda a temporada foi incrível. Porém, acredito que foi quando estava em Daytona, acelerando na quarta posição. Todas as vezes que passava na chegada tinha uma sensação inacreditável. Além disso, briguei com os melhores e mostrei que sou sim capaz de estar no clube dos caras rápidos.

E o principal desafio, qual foi?
É uma das competições mais acirradas do mundo, então as provas por si só já têm suas muitas dificuldades. Mas creio que minha principal adversidade foi terminar a temporada depois de uma lesão no ombro e tentando buscar o máximo de desempenho.

Para quem vão os agradecimentos depois desse resultado histórico?
Eu acredito que tudo faz parte dos planos de Deus, então agradeço a ele e à minha família pela oportunidade de estar aqui, representando o Brasil. Também aos meus amigos e todos que fazem parte da minha trajetória.

Ainda é cedo para falar sobre a próxima temporada, mas o que os brasileiros podem esperar do Enzo no próximo calendário?
Bom, eu espero conseguir ingressar numa equipe de fábrica, brigar por vitórias, conquistar pódios. Sei que sou capaz disso. O ano de 2020 foi incrível e o próximo tem tudo para ser melhor ainda.

Você tem apenas 20 anos e nasceu em Lajeado, cidade de aproximadamente 80 mil habitantes e que está distante das principais capitais do globo. E hoje compete em uma das mais importantes provas do off-road mundial. Qual dica você deixa para pilotos que estão começando agora e que também sonham com uma grande carreira?
Ah, é muito louco pode estar aqui. Foi um grande esforço, não só meu como de toda minha família, então faltam palavras para agradecer… mas a minha dica é para nunca desistir. Todo mundo tem suas lutas diárias, os próprios obstáculos, e só depende de nós transformar as dificuldades em motivação para seguir em frente. No processo vamos nos tornando mais fortes, melhores. Seguir em frente, independente do que aconteça. Saber que a alegria de conquistar seus sonhos fará tudo valer a pena.

Para terminar, lembra pra gente quais são seus principais títulos?
Claro. Sou 7 vezes campeão do Brasileiro de Motocross, nas classes 50cc, 65cc e Júnior; tri campeão do Arena Cross (50cc e Júnior); e 6 vezes campeão Gaúcho de Motocross e Supercross. Há vários outros títulos importantes também, como o bi no Sul-Brasileiro de Motocross categoria 50cc e a Superliga Brasileira de Motocross, pelas 65cc.