Laia Sanz preparada para o Dakar 2021

Laia Sanz e GasGas Factory Racing aguardam com ansiedade o início do Rally Dakar

Laia Sanz preparada para o Dakar 2021
Fotos: GASGAS Press Divulgação






Laia Sanz e GasGas Factory Racing concluíram os seus testes pré-Dakar e agora estão a contar os dias para o início da aventura épica de Ano Novo. Em breve é arregaçar as mangas e ficar presa no Rally Dakar de 2021, sera o 11º Dakar de Laia Sanz daqui a  pouco mais de duas semanas, enquanto busca consolidar ainda mais sua posição como um dos grandes nomes presente no evento.

  • Laia vai disputar seu 11º Rally Dakar em 2021
  • GASGAS RC 450F fará sua segunda aparição em evento famoso
  • Evento de 12 etapas para cobrir 7.646 km, incluindo 4.767 km de especiais  cronometrados.

 No que tem sido um ano difícil para todos, os últimos meses para Sanz foram especialmente desafiadores devido a contrair a doença de Lyme durante o verão, tornando sua preparação final para o Dakar mais complicada do que o normal. No entanto, com o apoio de sua equipe, amigos e patrocinadores, Sanz acredita que agora está pronta para enfrentar o rali cross-country mais difícil do mundo. A piloto da RC 450F está totalmente focada em completar seu 11º Dakar consecutivo e no final, conquistar um resultado bem positivo para a equipe.

A 43ª edição da corrida verá uma ênfase maior colocada na navegação do piloto e nas habilidades do competidor para lidar com terreno técnico de baixa velocidade, o que é uma ótima notícia para Sanz. Reduzindo as velocidades médias da prova, com sua habilidade de navegar bem sob pressão e de completar longas etapas com o mínimo de erros, Sanz está muito otimista com o percurso deste ano.

Com o Rally Dakar 2021 sendo novamente realizado no Oriente Médio, o evento terá início e término na cidade costeira de Jeddah, no Mar Vermelho. Como todos os competidores, Sanz enfrentará um curto prólogo de qualificação no sábado, 2 de janeiro, antes de iniciar o rali propriamente dito e 12 longas e exigentes etapas cobrindo um total de 7.646 km. Com um dia de descanso em Ha'il no meio da corrida, Sanz retornará a Jeddah no dia 15 de janeiro, depois de correr 4.767 km de especiais cronometradas contra o relógio.

Com motos e veículos já a caminho de Jeddah para o início da corrida, a GasGas Factory Racing tem o prazer de anunciar algumas mudanças na estrutura de patrocinadores da equipe. Sanz vai usar roupas de corrida de Kenny para seu uso no Dakar 2021 e receberá apoio adicional do patrocinador de longa data KH7.

Laia Sanz: “Tem sido um ano muito difícil para mim, por isso estou ansiosa e correr o Dakar 2021 significa muito. Eu machuquei minha mão na segunda etapa do Dakar deste ano, em janeiro, e embora eu tenha continuado e concluído a prova, a lesão acabou sendo pior do que pensávamos. Demorou um pouco no início do ano para me recuperar disso. Eu estava realmente ansiosa para começar a treinar nas minhas motocicletas de teste e enduro GasGas, e talvez me encaixar em alguns eventos. Infelizmente, quando finalmente consegui voltar a andar de moto, comecei a me sentir mal. Por fim, fui diagnosticado com a doença de Lyme, o que me fez sentir muito mal. Felizmente, com o tratamento certo, pude começar a andar novamente. Sei que não estou 100% e vamos ver como me sinto quando o rali começar em janeiro. Ajuda o fato de termos alguma experiência no terreno que enfrentaremos e da maneira como as coisas funcionam com a mudança para o Oriente Médio. O evento de janeiro também deve ser um pouco mais técnico e de navegação mais dura, por isso estou ansiosa para iniciar a competição. Não quero colocar nenhuma pressão sobre mim mesmo, e outra finalização seria incrível, mas meu principal objetivo é ir lá e curtir a corrida”.

Jordi Viladoms - Gerente da Equipe GasGas Rally: “Laia é uma verdadeira campeã, uma verdadeira lutadora e, embora este ano tenha sido difícil para ela, sabemos que ela fará de tudo para ser ainda mais competitiva no Dakar. Ela sabe muito bem como administrar a corrida e seu recorde de finalização é incrível, realmente mostra o quão determinada ela é como competidora e como ela entende o verdadeiro desafio do Dakar. Com o percurso deste ano parecendo ser mais técnico, tenho certeza que vai servir muito bem para ela. O que ela perdeu em termos de tempo andando de motocicleta nos últimos meses, tenho certeza que ela pode compensar com sua experiência e determinação. Dakar é sempre difícil, mas Laia sempre está à altura do desafio”.

 

Crédito: GASGAS Press