Michelin apresenta estratégia "Tudo Sustentável" para 2030: Michelin em Movimento

Em evento para investidores realizado na França, executivos falam dos planos e estratégias do Grupo para os próximos anos

Michelin apresenta estratégia "Tudo Sustentável" para 2030: Michelin em Movimento






No dia 8 de abril, Florent Menegaux, CEO do Grupo Michelin, e Yves Chapot, Gerente Geral e Diretor Financeiro do Grupo, acompanhados por todos os membros do Comitê Executivo da empresa, apresentaram o evento Michelin Market Day, apresentaram a estratégia "Tudo Sustentável" para 2030: Michelin em Movimento. Menegaux explicou a visão de sustentabilidade do Grupo, que se baseia na busca constante pelo equilíbrio entre os 3 P's que direcionam a empresa: Pessoas, Planeta e Performance financeira. Também foram apresentadas as ambições do Grupo para 2030, com base em doze indicadores que abrangem seu desempenho ambiental, social e financeiro.

Pessoas

  • alcançar uma taxa de engajamento dos funcionários de mais de 85%;
  • aumentar a porcentagem de mulheres em cargos de gestão para 35%;
  • definir um padrão global em segurança no trabalho, com um TCIR¹ inferior a 0,5;

Planeta

  • reduzir drasticamente suas emissões de CO2, nos Escopos 1 e 2 (em 50% em relação a 2010) e no Escopo 3 relacionado ao transporte, com o objetivo de alcançar a neutralidade de carbono nesses escopos até 2050;
  • aumentar drasticamente o conteúdo de matérias-primas sustentáveis ​​em todos os seus produtos para 40% até 2030, em linha com sua meta de 100% até 2050;

Lucro

  • impulsionar o crescimento sustentável, com um aumento médio de 5% ao ano nas vendas entre 2023 e 2030, assim que a atual crise relacionada à Covid-19 estabilizar;
  • dispor de 20% a 30% das vendas de negócios não relacionados a pneus;
  • garantir a criação de valor significativo, com ROCE superior a 10,5% entre 2023 e 2030.

Novos territórios de crescimento sem pneus

A Michelin continuará a expandir, investir e inovar em seus negócios de pneus. As tendências de mobilidade pós-Covid e o crescimento acelerado do mercado de veículos elétricos (VEs) representam oportunidades genuínas de crescimento para o Grupo, que desenvolveu liderança tecnológica incomparável no design e fabricação de pneus projetados especificamente para VEs. No segmento de transporte rodoviário, o Grupo focará seletivamente na criação de valor, enquanto em Mineração, Movimentador de Terra, Agrícola, Aeronáutica e outros pneus especiais, a Michelin pretende se manter como referência, capitalizando a diferenciação de seus produtos e serviços.

Liderada por sua capacidade de inovação e sua experiência em materiais, a Michelin também pretende impulsionar uma forte expansão em cinco segmentos de negócios de pneus e outros territórios: serviços e soluções, compostos flexíveis, dispositivos médicos, impressão 3D de metal e mobilidade de hidrogênio.

  • Em Serviços e Soluções, o Grupo vai ampliar e aprofundar seu portfólio de soluções de frota, em particular alavancando objetos inteligentes e o valor de seus dados coletados.
  • A Michelin também espera expandir significativamente no mercado de compostos flexíveis de crescimento muito rápido (transportadores, correias, tecidos revestidos, vedações etc.), perseguindo sua estratégia de fusões e aquisições de criação de valor e incubando novos negócios.
  • Os dispositivos médicos também representam uma oportunidade de crescimento nos próximos anos.
  • Na impressão 3D de metal, o Grupo desenvolveu experiência única que apoia a capacidade da AddUp, sua joint venture com a Fives, de comercializar uma gama abrangente de soluções sob medida para os fabricantes.
  • Em mobilidade de hidrogênio, o Grupo está buscando se tornar um líder mundial em sistemas de célula de combustível de hidrogênio por meio da Symbio, sua joint venture com a Faurecia.

Um marco inicial em 2023

Durante o Michelin Market Day, foram apresentados os vários drivers de competitividade industrial que proporcionarão uma economia líquida de € 80 milhões por ano, entre 2020 e 2023. Além disso, as despesas de SG&A no negócio de pneus serão reduzidas em € 65 milhões até 2023 e num total de € 125 milhões até 2025.

Yves Chapot anunciou os objetivos financeiros do Grupo para 2023: a empresa espera reportar cerca de € 24,5 bilhões em vendas, mais de € 3,3 bilhões em receita operacional do segmento 3, € 3,3 bilhões em fluxo de caixa livre estrutural (total acima de 2022 e 2023) e um ROCE de 10,5%.

Além disso, o Grupo está calculando os custos de algumas das suas externalidades negativas, como as emissões de carbono e o uso de água e solventes, e está empenhado em reduzi-los em cerca de 10% até 2023.Por último, o Grupo anunciou a revisão de sua política de dividendos, com o novo objetivo de pagar 50% do lucro antes de itens não recorrentes em 2021.

Durante o evento, Menegaux observou: "Com este novo plano estratégico Michelin em Movimento, o Grupo está embarcando em uma dinâmica de crescimento ambiciosa para os próximos dez anos. Estou convencido de que o engajamento e a capacidade de inovação de nossas equipes nos permitirão oferecer uma combinação harmoniosa de desempenho empresarial sustentado, desenvolvimento contínuo dos funcionários e compromisso com o planeta e as comunidades. Mesmo que permaneça fiel ao seu DNA, em 2030 o perfil do Grupo terá mudado significativamente com o crescimento de novos negócios de alto valor agregado em torno e além dos mercados. É esta capacidade de se reinventar constantemente que tem sustentado a força da Michelin por mais de 130 anos e que hoje nos dá confiança no futuro."

"Apesar da crise atual e do ambiente econômico ainda incerto, a Michelin demonstrou a resiliência de seus fundamentos e a validade de seu modelo de negócios. Este novo plano estratégico da Michelin dará ao Grupo os meios para impulsionar um novo crescimento e reduzir o impacto das suas principais externalidades negativas. A empresa continuará desenvolvendo suas operações de pneus enquanto integra novos negócios, com um foco constante na manutenção de um balanço robusto e margens firmes.", finalizou o executivo.

 

¹Total Case Incident Rate: número de acidentes e casos de doenças ocupacionais registrados por 200 mil horas trabalhadas